domingo, 22 de agosto de 2010

Porco espinho

Hoje decidi escrever sobre o porco espinho, pois um apareceu no parque do Carmo, ou melhor, como filho pródigo retornou, já que alguns funcionários disseram que é o mesmo que morou por um período. Mas de qualquer forma é bom lembrar que ele esta livre, não esta domesticado e nem deve ser, então vamos conhecer de forma resumida sobre ele...

Sobre a espécie:


Nome popular: Ouriço cacheiro, porco espinho.

Nome cientifico: Coendou prehensilis

Tamanho: 18 a 20 cm de comprimento.

Peso: 1kg no Máximo

Características:


O animal é um pequeno mamífero, que tem como maior característica o corpo coberto por espinhos¹, sua cauda ajuda que ele fique preso aos galhos e se movimente sobre elas, esse animal tem hábitos arborícolas² e são noturnos (no final da tarde já começam a ficar ativos), transita com freqüência pela borda das matas. São solitários e territoriais, e possuem um ótimo olfato e audição, vivem em média sete anos.


Reprodução: ocorre entre os meses de Abril a Agosto, cada ninhada é composta de 4 a 7 filhotes, os quais, aos 3 meses já podem deixar o ninho.



Alimento³: Se alimentam de frutos, invertebrados, e pequenos vertebrados.

O gênero Coendou possui quatro espécies: Coendou bicolor, Coendou nycthemera, Coendou prehensilis, e Coendou rothschildi.

Fonte: Everton Luiz Torres
Nome: Paulinho


1- Os espinhos na verdade, são pelos endurecidos que fazem parte do mecanismo de defesa do animal contra predadores. Os pelos não são lançados como muitos pensam, e sim ficam soltos, quando o animal se sente ameaçado. Assim é importante tomar cuidado com o manejo e esse deve ser feito por um especialista.


2- Esse termo se refere a animais que vivem em árvores.


3- Se refere ao gênero e não a espécie.



Ao avistar um porco espinho ou qualquer outro animal silvestre, não tentar manuseá-lo, ou alimentá-lo, isso pode causar a morte do animal e até possível acidente com uma pessoa despreparada, sempre procurar um especialista.

6 comentários:

  1. Meu caro tiago, gostei da matéria....é sou a favor de não domesticar esses animais, porém..essa foto do bebezinho, dá vontade de ter um.

    ResponderExcluir
  2. Esses espinhos inflamam? qndo acontece esse tipo de acidente oque devo fazer?

    ResponderExcluir
  3. É minha amiga Ione, dá vontade, porem o local dele é na natureza. Carla nunca tentar tirar os espinhos, levar o mais rápido possivel no veterinario ou especialista, pois o machucado pode inflamar, assim, aconselho que sempre nesses casos procurar alguem habilitado.

    ResponderExcluir
  4. ótima matéria, obrigada, sempre quis ter um porco espinho, mas estou vendo que nao o terei,rsrs.
    Acho super incrivel como eles usam sua defesa.
    A natureza á tão bela e maravilhosa, tudo o que ela oferece me surpreende!!!

    ResponderExcluir
  5. é lih...vc pode ter um, se tiver um criadouro, legalizado pelo IBAMA.Tais adaptações me fascinam e me fazem amar mais os animais silvestres.

    ResponderExcluir
  6. A FÁBULA DO PORCO-ESPINHO.

    DURANTE A ERA GLACIAL, MUITOS ANIMAIS MORRIAM POR CAUSA DO FRIO.
    OS PORCOS-ESPINHOS, PERCEBENDO A SITUAÇÃO, RESOLVERAM SE JUNTAR EM GRUPOS, ASSIM SE AGASALHAVAM E SE PROTEGIAM MUTUAMENTE, MAS OS ESPINHOS DE CADA UM FERIAM OS COMPANHEIROS MAIS PRÓXIMOS, JUSTAMENTE OS QUE OFERECIAM MAIS CALOR.
    POR ISSO DECIDIRAM SE AFASTAR UNS DOS OUTROS E COMEÇARAM DE NOVO A MORRER CONGELADOS.
    ENTÃO PRECISARAM FAZER UMA ESCOLHA: OU DESAPARECIAM DA TERRA OU ACEITAVAM OS ESPINHOS DOS COMPANHEIROS.
    COM SABEDORIA, DECIDIRAM VOLTAR A FICAR JUNTOS.
    APRENDERAM ASSIM A CONVIVER COM AS PEQUENAS FERIDAS QUE A RELAÇÃO COM UMA PESSOA MUITO PRÓXIMA PODIA CAUSAR, JÁ QUE O MAIS IMPORTANTE ERA O CALOR DO OUTRO.
    E ASSIM SOBREVIVERAM.
    MORAL DA HISTÓRIA: O MELHOR RELACIONAMENTO NÃO É AQUELE QUE UNE PESSOAS PERFEITAS, MAS AQUELE ONDE CADA UM APRENDE A CONVIVER COM OS DEFEITOS DO OUTRO, E ADMIRAR SUAS QUALIDADES.

    JÁ NASCEMOS IRMÃOS, SÓ FALTA NÓS ENCONTRARMOS!

    Repórter Zig-Zag

    ResponderExcluir